31 março 2006

Quando Nietzsche Chorou - Irvin D. Yalom

Este é um dos casos em que comprei um livro simplesmente pelo título sugestivo e pelo interesse provocado por uma rápida passagem de olhos pelo pequeno texto da contra-capa. Em resumo, resolvi arriscar.
Desde há algum tempo que a personagem Nietzsche me tem suscitado algum interesse, mas até agora ainda não tinha lido nada de/sobre ele.
A seguinte passagem do livro "Assim falava Zaratustra" (fica explicado o nome do blog) serve de aperitivo para o romance de ideias que lhe procede:

Alguns não conseguem afrouxar as suas próprias cadeias e, não obstante, conseguem libertar os seus amigos.

Um homem tem que estar preparado para se queimar na sua própria chama: como se pode renovar sem primeiro se transformar em cinzas?


Tenho que dizer que aprecio as qualidades físicas deste livro, tanto a textura da capa, como das folhas do seu interior (ásperas). Quando ao cheiro não dou nota 10, mas não é mau de todo. O preço capa está em 18.85€, mas com os descontos da praxe conseguimos levá-lo para casa por 16.97€.
Quando ontem peguei no livro, na esperança de me ajudar a adormecer, só consegui apagar a luz eram já três da manhã (tinha de acordar às sete). Lê-se com bastante fluidez mas distingue-se daquele género ligeiro que nos dá a sensação que estamos só a encher chouriço, ou seja, a encher os nossos neuroniozinhos com lamechices e outras tretas que não servem para nada. A forma como este livro agarra o leitor aproxima-se do poder do best-seller "Código da Vinci" (muitos vão detestar esta comparação), mas quanto ao género em si distingue-se do mencionado. Na verdade, a natureza do livro faz-me lembrar, por vezes, o meu querido "Imortalidade" do Kundera. Ou seja, não é daqueles livros que temos de os ler num daqueles dias em que o nosso Q.I. está especialmente forte, mas também não é daqueles tipo novela das oito (nove e tal).
O 1º capítulo resume-se a um pequeno-almoço em Veneza (fiquei com uma enorme vontade de voltar) e de resto, até agora, a "acção" desenrola-se em Viena (será que é desta que me vou apaixonar por esta cidade?).
Para servir de teasing, deixo-vos esta frase presente no 2º capítulo:

Conversámos sobre a relatividade do bem e do mal, sobre a necessidade de se libertar da moralidade pública de modo a viver moralmente a religião de um livre-pensador.

11 comentários:

M. disse...

Este post, e tudo o que se diz nele sobre o livro em questão,leva-me a dizer que a minha morada é rua dos arneiros, Stº Antão do Tojal, 2670-805 Loures.
Assim deixo uma janela aberta para a zaracotrim ter a possibilidade de me escrever, e outra aberta para eu lhe dizer a toda a hora que nunca me escreve, e assim usufruir da possibilidade de chantagem emocional sempre que me aprazer.

zaracotrim disse...

Prepara-te para receberes a colecção completa de postais de CV preenchidos com a minha descrição pormenorizada do cheiro daquela terra =)

KBSousa disse...

Mas afinal de contas ....quem é que escreveu o "Princepezinho"????

PJF disse...

Então não há mais posts?…

AR disse...

Oilá!

Já li o primeiro capitolo e estou cheia de vontade de comprar o livro. Obrigada amiga, continua a partilhar que nós agradecemos :)

AR disse...

Descupem os erros, tb estou a trabalhar e ... é assim mesmo.

AR disse...

Minha miga,
É só pa te dizer que já comprei o Livro e que já o estou a ler :)

AR disse...

Mais hora de matemática nas escolas, ou seja, mais professores de matemátima. :)

zaracotrim disse...

e então Anocas, já acabaste de ler o livro?

AR disse...

Ah pois é! Aqui a amiga ainda não consguiu. Costumo ler a caminho do trabalho, mas nestes dias vou mais a dormir que acordada e por isso não tenho lido :(
Quando começares a ler o novo diz-me. Faço uma pausa deste e depois recomeço. ?vale?
jocas

BlessedCarrot disse...

Pois é, já passou muito tempo do post, mas partilho:
Achei um grande livro pela forma como consegue envolver o leitor em temas que são tendencialmente tidos como enfado pelo leitores que estão por vezes ficticiamente ocupados e consequentemente menos sensíveis aos temas (incluo-me nesta lista na maioria do tempo).
No entanto, basta uma resquício de disponibilidade emocional e mental para fazer toda a diferença.
Devo dizer que não consegui parar de ler, mesmo quando ia de viagem e já estava nas caraíbas... só depois consegui realmente desfrutar o prazer do local.
Fiquei mais impressionado com a parte psicológica do Dr, da paciente e do paciente famoso.
Tenho outro na estante do Yalom mas é daqueles que só vou pegar quando tiver a certeza que estou novamente disponível para não ser daqueles livros que uma pessoa deixa de ler ou então lê sem se envolver.
É o medo de perder a emoção de ler algo que nos faz abanar e pensar