09 junho 2008

Contos de Morte - Pepetela

Acidentalmente, mas o que torna o feito curioso, li de seguida os dois primeiros números da novíssima colecção "Mil Horas de Leitura" da editora Nelson de Matos. O número dois, que me foi oferecido em mais um aniversário (obrigada), foi uma agradável surpresa e serviu para me estrear nas escritas de Pepetela. Gostei. Reportou-me para uma África "familiar", fazendo-me lembrar as histórias que o meu avô me contava como retornado inconformado. Tal como Mia Couto (que é mencionado neste livro), a forma de escrever transmite o calor de outras paragens, mas com Pepetela, tanto quanto pude entender, existem momentos repentinos de inesperada violência que dão uma suave acidez a cada conto.

Constituído por 5 histórias inéditas, estas estão organizadas da seguinte forma:
*A Revelação (1962)
*O Caixão do Molhado (2001)
*Mandioca de Feitiço - para Miguel Torga (2001)
*Estranhos Pássaros de Asas Abertas - introdução ao canto V de Os Lusíadas (2003)
*O Nosso País é Bué (1999)

4 comentários:

Hélio disse...

Gosto acima de tudo do ultimo título... Contra a mentalidade que acabámos por transmitir também aos autóctones, creio ser esse um título em contra-maré...

Zaracotrim disse...

Fiquei a pensar qual das 5 histórias gostei mais, pq de facto gostei bastante da última. São todas bastantes diferentes, com um encanto peculiar, por isso n consigo mesmo eleger a minha favorita. Talvez a 4ª pela sua genialidade...

Filipe disse...

Esta é daquelas colecções que dá prazer de comprar. Os livros são bonitos e agradáveis de manusear. Não que seja importante quando compramos um livro, o importante é o conteúdo, claro! Mas para um coleccionador inacto como eu, a forma como os "conteúdos" estão dispostos à vista viciam a menina!... até que um qualquer iluminado armado em editor decide mudar a colecção porque, dizem, vende mais!
Aparte estas questões secundárias, nunca li nenhum africano e tenho que confidenciar que estes contos de quem já viveu muito não me atraem particularmente. Poderá estar a passar-me ao lado um mundo mas...

Zaracotrim disse...

Quanto ao coleccionismo, e já que as Edições Nelson de Matos estão numa dessas, aproveito para dizer que já comprei o nº3: Agustín Fernández Paz - Só resta o amor. Ai este consumismo! :)

Apesar de Pepetela já contar com 66 aninhos, não olho para os seus contos como de alguém que já viveu muito. Um dia destes, quando não tiveres mesmo mais nada para fazer, tens de ler pelo menos um.